×
Siga-nos:
Classe Contábil
PUBLICADO 5 meses ATRÁS.

Tecnologia aprimora atividade dos contadores e do Fisco

Se você é empreendedor sabe que exercer seu papel no Brasil não é um processo tão simples. Mais do que uma boa ideia, é preciso ter disposição para enfrentar toda a burocracia que existe no país quando se fala em tributação e leis fiscais. Conhecer o mercado, produto ou serviço não é suficiente, deve-se conhecer a gestão de todos os departamentos da empresa. O setor contábil, por exemplo, é um departamento que necessita de uma atenção rigorosa, caso contrário, em vez de se manter constantemente em dia com o Fisco, pode se tornar um amontoado de papéis, notas fiscais perdidas e pastas desorganizadas, gerando uma grande bola de neve.

Assim como a tecnologia ajuda as pessoas a pegarem um táxi em um click ou a pedirem comida com o apertar de um botão, a contabilidade de uma empresa também se beneficia dela quando o assunto é organização e dinamismo. Isso traz um departamento fiscal mais saudável, evitando dores de cabeça com os órgãos gestores. E quem é contador sabe muito bem a importância que isso tem. Afinal, ele conta com novas ferramentas para apoiar a execução do seu trabalho e contribuir com o sucesso de sua empresa.

São transformações irreversíveis que devem ser incorporadas ao dia a dia de todo profissional, a fim de que esteja em sintonia com as exigências do mercado. Nesse sentido, a tecnologia é mais do que aliada. É questão de sobrevivência. “Sem tecnologia as empresas ou os escritórios contábeis não conseguiriam cumprir suas obrigações acessórias digitais, controlar seus processos para disponibilizar, detalhadamente, seus dados corretos. Enfim, é só com um software de gestão empresarial que o empreendedor pode tomar, de forma mais assertiva, uma decisão”, explica André Faria, CEO da Bluesoft.

Contabilidade em nuvem

Com uma rotina muito atribulada, os escritórios contábeis e as empresas acabam não utilizando todo o seu potencial, afetando a produtividade e eficiência. Com o cloud computing a produtividade da empresa tende a crescer, ainda mais quando o assunto são as responsabilidades fiscais. Para o professor Marcos Assi, da Saint Paul Escola de Negócios, a computação em nuvem, sem dúvida, é uma grande tendência para o setor contábil. “As informações salvas na nuvem podem ser consultadas sem problemas quando, por exemplo, ocorrem inspeções ou fiscalizações de órgãos reguladores. Muitas empresas não conseguem em curto espaço de tempo obter a informação lógica, o que não ocorre quando ela está armazenada na nuvem” explica.

Créditos: Pexel

O Bluesoft ERP, por exemplo, necessita apenas de uma conexão de internet para que o usuário acesse todos os seus arquivos, em qualquer lugar, de forma segura, na nuvem. Isso, sem precisar utilizar de nenhum tipo de servidor físico, diminuindo gastos com máquinas e equipamentos, por exemplo. Além disso, a ferramenta pode realizar diversas configurações tributárias e contábeis que permitem gerar as informações conforme a necessidade da empresa.

Com ele é possível auditar lançamentos contábeis e tributários, o que permite uma melhor performance na hora de realizar o compliance tributário, bloqueando os movimentos nesse processo. Outra vantagem é que todas as movimentações são geradas automaticamente. Ou seja, ao lançar uma nota fiscal, toda a contabilização e escritas fiscais são geradas baseadas nas configurações realizadas previamente pelo usuário, fazendo com que de forma online toda a sua apuração de impostos seja atualizada a cada operação.

A ferramenta ainda contém uma plataforma Business Intelligence com diversos dashboards que permitem uma análise gerencial fiscal e contábil de grande importância para várias tomadas de decisões. “A não utilização de grandes servidores de TI e o seu baixo custo de aquisição e manutenção, são facilitadores para que as pequenas e médias empresas possam usar dessa tecnologia”, explica André.

Inteligência artificial na contabilidade

Outra recente novidade que, em breve, deve chegar aos escritórios de contabilidade é o uso da inteligência artificial. Aliás, a Receita Federal anunciou que no mês de abril passou a utilizar a solução tecnológica para acelerar o andamento de milhares de processos tributários à espera de julgamento na primeira instância administrativa. Esse é o primeiro passo para que os computadores possam ler autos, alegações da defesa e, até mesmo, elaborar propostas de decisão. O objetivo com medida adotada é reduzir o estoque de processos, que fechou 2017 em 249 mil, com valor total de R$ 118 bilhões.

As novas tecnologias, contudo, não visam substituir o trabalho dos auditores fiscais ou dos contadores. Contudo, “o profissional precisa estar em constante atualização. Afinal, nessa transição de papéis, sai de cena o contador estritamente focado em gerar relatórios, digitar documentos, fazer fechamento e entra em cena um novo profissional, que é uma nova versão do contador, totalmente readaptado para sobreviver ao mundo tecnológico”, explica Tânia Gurgel, sócia da TAF Consultoria Empresarial e especialista em SPED.

Outros benefícios que a inteligência artificial gera expectativa é o de apresentar ferramentas que otimizam o dia a dia e proporcionar tempo para se dedicar ao que não pode ser automatizado, como liderança estratégica, gestão e geração de valor aos clientes. “A tecnologia tem o objetivo de facilitar o trabalho das empresas e automatizar seus processos. É uma oportunidade para transformar o profissional da contabilidade em consultor estratégico no aperfeiçoamento da gestão e ele tem uma série de ferramentas para isso hoje, a começar pelo ERP”, conta André.

 

 

 

 

 

 




COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

*Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Leia também

Receba gratuitamente nosso informativo de artigos e notícias em seu e-mail