×
Siga-nos:
Classe Contábil
PUBLICADO 2 anos ATRÁS.

Sem reforma da Previdência, INSS poderá consumir até 87% da receita da União

Atualmente o gastos com o INSS representam 42% da receita líquida da União. Sem uma reforma, essa porcentagem pode chegar a 87.

Se isso acontecer, segundo o economista Paulo Tafner, “o Estado vai funcionar quase que exclusivamente para pagar pensões e aposentadorias”. Ele ainda diz que, mesmo sem uma reforma completa, é preciso que algumas regras sejam alteradas para “frear os gastos”.

Conta salgada

Para se ter noção dos altos gastos que o país possui, apenas as pensões por morte somam R$ 106 bilhões. Esse montante equivale a todo o gasto com saúde, por exemplo.

A aposentadoria rural por idade, por sua vez, consome R$ 66 bilhões. O valor é 50 vezes maior do que o que é investido em saneamento. Já a aposentadoria urbana por idade custa R$ 51 bilhões – sete vezes o gasto do programa Minha Casa Minha Vida.

Por conta desse cenário, o governo tenta conclui o projeto de reforma o quanto antes. Segundo Alexandre Parola, porta-voz da Presidência, o presidente Michel Temer deseja encaminhar o tema para analise ainda em 2016. “O presidente da República ressalta que decidido está que o projeto da reforma da Previdência será enviado ao Congresso ainda este ano”, garante.

Entretanto, Parola diz que a reforma só será encaminhada após um “amplo diálogo” com trabalhadores, empresários e lideranças políticas.




COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

*Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Leia também

Saiba como emitir a guia do eSocial

O eSocial é obrigatório desde o início do ano para empregadores e contribuintes cujo faturamento em 2016 tenha sido superior a 78 milhões. Porém, ainda existem muitas empresas e profissionais de

POR 2 dias atrás.

Receba gratuitamente nosso boletim de artigos e notícias em seu e-mail