×
Siga-nos:
Classe Contábil
PUBLICADO 2 anos ATRÁS.

Mercado informal movimentou mais grana do que a região Nordeste em 2016

O mercado informal no Brasil movimentou R$ 983 bilhões em 2016, valor 0,1 ponto percentual maior do que o apontado no ano passado. O valor, obtido a partir do IES (Índice de Economia Subterrânea), equivale a 16,3% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, que corresponde à soma de todas as riquezas produzidas no País, e supera a produção econômica das regiões Norte (5,8%), Nordeste (12,3%) e Centro-Oeste (9,5%).

O estudo realizado pelo Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), da FGV (Fundação Getulio Vargas), em parceria com o ETCO (Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial), aponta que a principal razão para a reversão de tendência do mercado informal, após 11 anos em queda, é a crise econômica brasileira, que teve grande impacto no emprego com carteira assinada.

A economia subterrânea corresponde à produção de bens e serviços não reportada ao governo deliberadamente, com o objetivo de sonegar impostos, evadir contribuições para a seguridade social, driblar o cumprimento de leis e regulamentações trabalhistas e evitar custos decorrentes da observância às normas aplicáveis a cada atividade.

Em uma comparação com o desempenho econômico das cinco regiões do País, a economia subterrânea tem um porcentual de participação no PIB inferior apenas ao das regiões Sul, que no levantamento de 2013 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) respondia por 16,9% das riquezas nacionais, e Sudeste (55,5%).

De acordo com o presidente executivo do ETCO, Edson Vismona, o combate à informalidade deve ser um esforço constante por parte das autoridades e da própria sociedade.

— A economia informal tem impacto sobre toda a sociedade, na medida em que não há pagamento de tributos. Todos os investimentos ficam comprometidos e, além disso, se cria um ambiente propício à transgressão e à criminalidade.

O pesquisador do Ibre responsável pelo estudo, Fernando de Holanda Barbosa Filho, afirma que a duração da crise macroeconômica leva a economia informal a continuar crescendo. Para ele, a retomada do crescimento deve proporcionar um retorno para a tendência de queda do índice. Barbosa, no entanto, avalia que a economia subterrânea deve continuar a crescer até que a retomada seja efetiva.

— A crise econômica interrompeu o processo de formalização da economia brasileira, reduziu o número de empresas, empregos formais e reduziu o pagamento de impostos. A crise profunda que afeta toda a economia provocou aumento da informalidade mesmo com os mecanismos que estimularam a maior formalização da economia ainda em vigor.




COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

*Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Leia também

Receba gratuitamente nosso informativo de artigos e notícias em seu e-mail