×
Siga-nos:
Classe Contábil
PUBLICADO 2 anos ATRÁS.

Melhores cidades brasileiras para abrir negócio não são as capitais

Uma pesquisa nacional concluiu que as melhores cidades brasileiras para abrir um negócio não são as capitais.
Os jovens se conheceram na faculdade de Engenharia da Computação e foram estimulados a empreender. Grupos assim podem fazer toda a diferença. É o que a gente vai mostrar: uma ideia de sucesso que nasceu na Unicamp, em Campinas.

Eles criaram um programa de computador que aumenta a produtividade das máquinas nas indústrias. Operadores virtuais que já atendem 25 empresas nacionais e multinacionais. “A Unicamp tem um viés tecnológico que foi muito importante para criar essas empresas de alta tecnologia, diz o engenheiro Danilo Halla.

E o município também faz a parte dele. “Existe um fluxo especial para essas novas empresas de tecnologia na cidade de Campinas para ajudar a abrir, ajudar a pagar impostos”, explica o engenheiro Igor Santiago.

A cidade é a terceira mais bem colocada na pesquisa que avalia o empreendedorismo no Brasil, atrás apenas de São Paulo e Florianópolis. O desempenho dos municípios do interior chama a atenção. Seis estão entre os dez melhores para se abrir um negócio.

Grandes capitais registraram queda. Muitas das vantagens que o empreendedor encontra hoje em algumas cidades do interior, não vê em grandes capitais, como o Rio de Janeiro, por exemplo. No centro da cidade, uma creperia já está com os dias contados. Vai fechar antes de completar três anos.

“A gente sempre ouve que é muito difícil, mas foi dez vezes mais difícil”, diz a empreendedora Anna Beatriz Machado.
Anna reclama que foi complicado abrir a empresa no Rio. “Ou você está aqui gerenciando o seu negócio ou você tá vendo a papelada, então é muito trabalhoso”, explica.

A burocracia é de fato um problema. O Rio é a cidade que mais altera as regras dos impostos municipais: foram 59 mudanças em um ano. Joinville, em Santa Catarina, faz exatamente o contrário para atrair investidores, e hoje é a quarta cidade mais empreendedora do Brasil.

É lá que a família de Leonardo Castelo tem um supermercado que especializado em produtos de limpeza. Em quatro anos abriram mais 140 lojas. “Quanto mais rápido você tiver essa velocidade para começar logo o negócio e ainda com a cidade com o perfil empreendedor de preparação, o sucesso é quase garantido”, conta Leonardo.

“Se a sociedade brasileira desse atenção pra isso, não porque é bom pro empresário, mas porque é bom pro desenvolvimento, pra geração de empregos, pro país, talvez a gente estivesse menos suscetível a uma crise como a que a gente tá vivendo agora”, avalia diretor-geral do Endeavor, Juliano Seabra.




COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

*Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Leia também

Receba gratuitamente nosso boletim de artigos e notícias em seu e-mail