Contabilidade e a missão moderna da empresa

10/07/2009

O presente artigo relata a nova ótica da empresa perante seus usuários, com informações mais dinâmicas e de cunho social.
 
A contabilidade tem uma função de suma importância no processo decisório de uma empresa. Com os dados apresentados através dos registros contábeis podemos gerar informações que correspondem toda a vida da entidade em determinado período. As informações contábeis geradas são elaboradas através de relatórios e analisadas por administradores, gerentes e contadores para tomada de decisão. Os relatórios contábeis se diferenciam em aqueles em que são obrigatórios, ou seja, estão previstos por leis e aqueles que servirão para o auxilio ou complemento para tomada de decisões do corpo administrativo.
 
A informação contábil pode ser útil a usuários internos como sendo, os próprios administradores e gerentes, como também aos usuários externos, sejam eles, investidores, fornecedores, governos, entre outros. Esses usuários necessitam de informações cada vez mais precisas e que avaliam não somente as características econômica e financeira da empresa, mas também a parte social e a capacidade de produção de riqueza dessa entidade.
 
Os relatórios contábeis também conhecidos como Demonstrações Financeiras, são desenvolvidos após os registros contábeis para representar a fidedignidade da empresa, informando principalmente dados econômicos baseados nos Princípios Fundamentais de Contabilidade que auxiliam na tomada de decisões.
 
Com o mercado hoje bastante competitivo, qualquer detalhe pode ser o diferencial para conseguir sobressair à concorrência. As empresas independentes do seu porte têm a necessidade de relatórios bem elaborados para auxiliar sua administração e diminuir os riscos de perda da entidade jurídica no negócio.     
 
Com a complexidade de avaliar o desempenho sócio-econômico da empresa, os gestores estão recorrendo a várias demonstrações contábeis, mesmo que não sendo exigidas por lei, porém, de grande relevância para sua administração.
 
A gestão empresarial não se resume ou fica dependente apenas de fatores econômicos e financeiros. A análise social da empresa também é de grande valia para os usuários do negócio. 
 
Observa-se que o número é bastante reduzido de empresas que utilizam de informações sócios-econômica para constitui1r o chamado balanço social. A preocupação dos gestores e administradores na tomada de decisões continuam sendo as demonstrações que visam o patrimônio em seu aspecto monetário e principalmente os dados financeiros. Com essa realidade as entidades estão cada vez mais preocupadas com a responsabilidade social e qual o tipo de beneficio que essa análise de riqueza também traria para seus usuários.
 
A Demonstração do Resultado do Exercício retrata o confronto entre receitas e despesas, objetivando o Lucro, porém, não demonstra como esse Lucro é distribuído ou agregado algum agente econômico. A demonstração contábeis de uma forma geral não retrata os valores que a entidade pode investir em sua capacidade de produção ou de distribuir sua riqueza.
 
Na atual realidade os gestores têm-se preocupado em apurar suas análises. A demonstração de resultado evidencia a parcela de riqueza na forma de lucro que permanece na entidade, porém, não nos mostra o que essa empresa verdadeiramente influência em sua região, para o crescimento da sociedade, seja no âmbito municipal, estadual ou federal. A influencia significativa poderá ser na questão da educação, saúde, esporte, lazer, distribuição de renda, emprego e também na arrecadação do fisco.
 
Sabe-se que a necessidade de relatórios cada vez mais bem elaborados tem sido a meta de vários gestores no processo decisório.  A contabilidade proporciona aos analistas uma visão diferenciada e incisiva nos objetivos criados pela entidade, contudo, os relatórios nem sempre visam a qualidade dos trabalhos desenvolvidos pelos seus recursos, a importância da qualificação profissional e outros aspectos sociais de destaques.
 
Em busca da análise macroeconômica mais apurada e objetivando dar mais informações de natureza social, a contabilidade desenvolveu a demonstração do valor adicionado – DVA que inicialmente tinha um caráter em auxiliar as demonstrações financeiras no processo de decisão, porém, hoje a DVA faz parte das demonstrações exigidas ao fim de cada exercício social pela escrituração mercantil, caracterizando o balanço social, e com isso sobre esse aspecto as entidades passam a ter também uma analise da distribuição de suas riquezas e não somente uma visão do proprietário no patrimônio Liquido.   
 
Os gestores através das informações apresentadas pela DVA, ele identifica como sua riqueza vai ser adicionada à sociedade, se ele pode gerar mais empregos, desenvolver mais projetos ambientais e sociais, além de poder receber incentivos fiscais. Essa analise não tem sido uma prioridade para muitas das empresas, o que proporciona uma baixa qualidade nas informações no aspecto produtivo e um retorno insuficiente de seus investimentos realizados.
 
Nem sempre a contabilidade usou as informações macroeconômicas para constituir suas análises e desenvolver o chamado balanço social. O objetivo quase que sempre foi atender as solicitações do fisco em caráter financeiro.
 
Com a concorrência cada vez mais acirrada e na tentativa de convergência dos procedimentos contábeis para que todos os países têm o mesmo nível de entendimento e métodos contábeis, os gestores das empresas precisam obter informações mais claras e que não possam somente representar a parte financeira da instituição, mas também apresentar a influência da entidade para com a sociedade, mostrando como ela pode ser útil para o desenvolvimento social.
 
Com mundo cada vez mais globalizado, as entidades precisam dar mais atenção aos valores agregados que suas riquezas representam. A sociedade é marcada por fatores que determinam à qualidade e o desenvolvimento da população que influenciam diretamente na formação do Produto Interno Bruto (PIB), e em vista disso os órgãos responsáveis pelos procedimentos contábeis exigiram a elaboração da demonstração do valor adicionado – DVA que exprimi com clareza não somente a situação patrimonial ou as mutações ocorridas como as demonstrações já convencionais, mas também evidência sobre o ponto de vista macroeconômico, com objetivo de mostrar a natureza social da entidade.